Analíticas #4

Nos movimentos do mundo cada um tem o seu momento

todos tem o pensamento

de vencer a solidão.

(…)

No horizontes do mundo requerer perdas e danos

é abrigar desenganos

Sem amor e sem perdão.

Published in: on 14/01/2014 at 17:24  Deixe um comentário  

Analíticas#3

waterscapes

Tentei escapar pela HISTERIA. Um gesto, A performance e aplauso-choro/riso. Emoções sobrevoando na bordinha final subsequente ao ATO, falso. Compreensão total, fantasia. Na base do choque. Nada de manha, tudo nesse jorro. Pero,  NO.

O OBSSESSIVO foi vedado de partida, mas se impôs pela estrutura. Que podia eu fazer?Andar e falar com coisas, mexer nas regras e lógicas? Das análises do mundo físico cai no colo do senhor Althusser que lentamente massageia/quebra meu pescoço. Se não tenho ginga? Ôxi, tenho não… Regra clara e o grave problema da determinação social, pois haveria outra razão para ter falado tanto de contingência? Mundo de coisa e regras queria até querer, porém posso não. Meu mûinho é pandeiro, berro, choro. Falha-me.

Maria Rita Kehl falou aí do MELANCÓLICO e achei bonito. Mas vá lá, tinhoso, já não será tarde para buscar a “temporalidade perdida”? Deixe-me retirar à luta, fazer de sentido. Pois veja, pois nisso de defender-me mal da castração, não levo jeito.

Fora disso aí tem também a VIDA, que é mais chata, que não segue nada, que escolhe mal vírgula não entende de gramática, não define nada direito e segue IMPÁVIDA COLOSSO a te nocautear sem fim.

Isso foi a HISTERIA,

Aplauso…

Published in: on 27/11/2013 at 12:44  Deixe um comentário